É uma festividade folclórica de origem africana, realizada pelas comunidades negras do estado do Amapá. Consiste em homenagear o Divino Espírito Santo e a Santíssima Trindade com missas, novenas, ladainhas (parte sagrada dos festejos) e danças de roda (parte profana dos festejos) puxada pela batida de tambores chamados de "caixas de marabaixo". Supõe-se que o nome venha do vocábulo árabe "marabut" (louvar) ou do fato dos negros terem sido trazidos mar abaixo, da África para o Amapá.
Mistura a religiosidade da Igreja Católica Romana (pomba do Espírito Santo, coroa da Santíssima Trindade, etc...) com rituais de origem afro (levantação dos mastros, quebra da murta, etc...).
As festas são realizadas durante o Ciclo do Marabaixo, que começam sempre na Páscoa e termina sempre no Domingo do Senhor. As festividades populares acompanham o calendário litúrgico da Igreja Católica. Durante as rodas de marabaixo, as mulheres se vestem com saias rodadas floridas, ánagua, camisa branca e colares. Os homens vestem calça branca e camisa simples. O vestuário é alusivo às vestimentas dos antigos escravos. Em geral, os homens tocam as caixas enquanto as mulheres cantam versos improvisados chamados "ladrões".
O marabaixo está presente, em especial, nos bairros do Laguinho e Santa Rita (os chamados "bairros negros" de Macapá), na cidade de Mazagão, e nas vilas de Santa Luzia do Pacuí, Campina Grande, Coração, Curiaú e na Lagoa dos Índios (comunidades interioranas afro-descendentes do municípios de Macapá).
Possui paralelos com outras danças de origem africana do Brasil, como o batuque do Amapá, o tambor de crioula do Maranhão, o samba de roda da Bahia, o caxambu do Rio de Janeiro e a umbigada de São Paulo.

O marabaixo é a maior expressão cultural amapaense.
  


O marabaixo é uma manifestação folclórica afro-amapaense, que consiste em homenagear o Divino Espírito Santo e a Santíssima Trindade em duas partes: a sagrada (missas, novenas, ladainhas) e a profana (dança do marabaixo, bailes). Essas homenagens ocorrem durante o ciclo do marabaixo, que começa sempre na Páscoa e termina no Domingo do Senhor (primeiro domingo após Corpus Christi). Durante os festejos, misturam-se rituais africanos (corte dos mastros, quebra da murta, danças) e europeus-católicos (missas, novenas, procissões). A origem do nome é incerta: alguns afirmam que vem do árabe marabut (louvar); outros afirmam que vem do fato dos escravos serem trazidos mar abaixo nos navios negreiros (ou seja, da África para o Brasil).

Na dança do marabaixo, as mulheres vestem-se com anáguas, saias rodadas floridas, camisa branca, colares, lenço no ombro e flor atrás da orelha, uma versão estilizada das roupas das escravas. Os homens usam roupas brancas e tocam com duas baquetas grandes tambores chamados caixas ou caixa de marabaixo. Tanto os tocadores quanto as mulheres cantam os versos improvisados chamados ladrões; muitos desses versos têm teor religioso. Todos dançam em círculo, sentido anti-horário e ao redor de si mesmos.

Está presente principalmente nos bairros do Laguinho e Santa Rita, na zona urbana de Macapá; mas também em outras comunidades negras do Amapá, como Mazagão Velho, Campina Grande, Lagoa dos Índios, Coração, Curiaú, Maruanum, entre outras.

Possui similaridade entre outras danças de origem africana do Brasil, como o batuque (também amapaense), o tambor de crioula (Maranhão), o samba de roda (Bahia) e o jongo (São Paulo).

Marabaixo do Laguinho:
  


Outras informações sobre Marabaixo:

Palavras com 9 Letras
A Palavra Marabaixo possui 9 Letras
A Palavra Marabaixo possui 5 vogais - a a ai o
A Palavra Marabaixo possui 4 consoantes - m r b x
A Palavra Marabaixo ao contrário: Oxiabaram
Busca reversa Onomasiológica por Marabaixo

1 página - 2 Definições